terça-feira, 29 de dezembro de 2009

COMO ESTARÁ O TEMPO NA VIRADA?

Previsão do Tempo - 30/12 a 03/01
Atualizada em 30/12 às 12:01

Quarta-feira, uma frente fria cruza o Estado e provoca chuva em quase todas as áreas. Não se descarta que a chuva possa ser forte e acompanhada de temporais. Mesmo assim podem ocorrer algumas aberturas de sol em determinados momentos. Temperatura mínima de 23°C e máxima de 32°C.

Na quinta-feira, ainda há chance de chuva, principalmente na primeira metade do período. Ao longo do dia o tempo firma e o sol deve aparecer. Máxima de 28°C à tarde. A sensação de abafamento que persistiu durante vários dias diminui e a temperatura no momento da virada de ano deve estar entre agradáveis 19°C e 21°C em Montenegro.

Na sexta-feira o sol brilha forte quase sem nuvens no céu. Temperatura mínima de 17°C e máxima de 30°C à tarde. A temperatura volta a ficar amena à noite.

No final de semana o sol aparece com poucas nuvens. Temperatura mínima de 19°C e máxima de 32°C.

UM FELIZ ANO NOVO A TODOS ! !! !

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

SEMANA COMEÇA COM MUITO CALOR

Previsão do Tempo - 28/12 e 29/12


Nesta segunda-feira, uma massa de ar quente predomina sobre a região de Montenegro. O calor será intenso e a máxima deve atingir 36°C à tarde. Não se descarta chuva/temporal de verão, principalmente de tarde para noite, devido ao forte aquecimento diurno.

Na terça-feira o dia já amanhece quente, em torno de 24°C. À tarde, novamente o calor será forte e a máxima fica entre 36°C e 38°C. A chance de chuva é maior do que na segunda-feira e por isso adverte-se para o risco de chuva forte/temporal típicos de verão.


domingo, 27 de dezembro de 2009

A VERDADE NUA E CRUA - O AQUECIMENTO IDEOLÓGICO

O AQUECIMENTO IDEOLÓGICO

O fracasso do encontro mundial sobre meio ambiente em Copenhague foi motivado pela ideologização do tema aqueci
mento global. De repente, uma histeria internacional serviu de combustível para movimentar ONGs, turbinadas a dinheiro dos governos e dos ingênuos, que decidiram se apossar da tese catastrófica do fim do mundo pelo derretimento da calota polar. Como aqueles malucos que pregam a volta dos cavaleiros do Apocalipse, nossos engravatados executivos das ONGs, de mãos dadas com os barbudinhos de sempre, com políticos da linhagem de Hugo Chávez e até com - acreditem! - George Soros, fizeram barulho, protestos e passeatas, tudo pela defesa do planeta. Isto é: eles já se adonaram da tese e o inimigo do ano que está terminando foi o aquecimento global. O pum do rebanho bovino mundial é uma das causas do gelo derretendo nos polos. A tese é a piada pronta. Por que só o pum das nossas vacas tem esse poder de atingir a terra dos esquimós, no Norte, e a dos pinguins no Sul? E os puns dos outros milhões e milhões de herbívoros ficaram de fora do terrorismo verbal dos consultores e cientistas ambientais? Quando um tema sério como a preservação do planeta - uma preocupação de todos os cidadãos da Terra - fica sob controle das chamadas organizações sociais globalizadas, misturam-se aí os picaretas, os aproveitadores, os políticos derrotados, os espertalhões, os ingênuos, os escoteiros e até pessoas competentes que se deixam iludir pela plasticidade das imagens do urso branco surfando sobre um pedaço de iceberg. Sério mesmo são as tempestades de neve que assolam o hemisfério norte causando destruição e mortes. Londres sentiu na última semana a maior nevasca desde 1895. Washington jamais viu tanta neve. Na Europa continental as temperaturas chegaram a 30 graus negativos em alguns países. A Polônia tinha registrado 30 mortes. No total, mais de 50 pessoas já morreram. Nos EUA, mais de dez. E dizer que esta neve vem lá de cima, do Ártico, de onde as tevês e os sectários do aquecimento global provam que a destruição da Humanidade está próxima. Essa turma já está de olho nos bilhões de dólares que serão destinados à batalha contra o gelo derretido. É o pum ideologizado.

TERRA VAI ESFRIAR

Luiz Carlos Molion, é meteorologista da Universidade Federal de Alagoas e representante dos países da América do Sul na Comissão de Climatologia da Organização Meteorológica Mundial (OMM). Sem subterfúgios ou palavreado politicamente correto, ele afirma que existe uma manipulação dos dados da temperatura terrestre e afirma que a Terra vai esfriar nos próximos 22 anos. O homem, diz Molion, é incapaz de causar aquecimento global com suas emissões na atmosfera. Só o Brasil deu importância à conferência de Copenhague entre os países emergentes, já que a discussão deixou de ser científica para se tornar política e econômica. Molion concedeu uma entrevista ao site UOL repondo alguns dados extraviados sobre o aquecimento global.

GÁS DA VIDA

"O CO2 não é poluente como diz a mídia. Ele é o gás da vida. Se o CO2 dobra, a produção das plantas aumenta. Os combustíveis fósseis são poluentes, mas não por causa do CO2 e sim pelos outros elementos como o enxofre, por exemplo. Quando liberado, o enxofre se combina com a umidade do ar e se transforma em gotícula de ácido sulfúrico e as pessoas inalam isso. Aí vem os problemas pulmonares."

CO2 NÃO É VILÃO

"Quem comanda o clima global não é o dióxido de carbono (CO2). Pelo contrário. Ele é uma resposta. O Sol comanda o clima que é a principal fonte de energia do sistema climático. Num período de 90 anos, o Sol passa da atividade máxima para a mínima. Registros da atividade solar (desde Galileu) mostram que o Sol esteve em baixa atividade em 1820, no final do século XIX e no início do século XX. Agora, o Sol deve repetir esse pico, passando os próximos 22 anos, 24 anos com baixa atividade. Sua radiação diminui e isso contribui para reduzir a temperatura global. Medições dos oceanos revelam o seu resfriamento e como eles são 71% da superfície terrestre, desempenham papel importante no clima da Terra. O Pacífico, por exemplo, com 35% da superfície, está se resfriando desde 1999."

QUEM POLUI

"Os fluxos NATURAIS dos oceanos, polos, vulcões e vegetação somam 200 bilhões de toneladas de CO2 e outros poluentes por ano, lançadas na atmosfera. O homem, 6 bilhões, logo as emissões humanas chegam a apenas 3%. Se em Copenhague conseguirem reduzir a emissão humana pela metade, o que são 3 bilhões de toneladas entre 200 bilhões? Não vai mudar absolutamente nada no clima."

FALSO DERRETIMENTO

"O que derrete nos polos é o gelo flutuante e ele não aumenta o nível do mar. Dizer que os países emergentes vão contribuir com o aquecimento é uma atitude neocolonialista. Carbono não controla o clima. O melhor seria aperfeiçoar as condições de prever furacões, tempestades, secas. Os países fora dos trópicos vão sofrer um resfriamento global e irão consumir mais energia para não morrer de frio. No Brasil, a maior parte das emissões vem das queimadas, que significa a destruição das florestas. Tomara que em Copenhague saia alguma coisa boa para reduzir a destruição das florestas."

ROGÉRIO MENDELSKI - Jornal Correio do Povo

Gostou do post? Odiou? Concorda? Discorda? Comente, sua opinião/sugestão faz a diferença!


segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

INSTABILIDADE E ABAFAMENTO NA SEMANA DO NATAL

Previsão do Tempo - 22/12 a 27/12
Atualizado dia 25/12 às 12:39

O tempo não firma na região de Montenegro essa semana.

Na terça e na quarta haverá muitas nuvens e pode chover a qualquer momento. Mesmo assim o sol deve chegar a aparecer entre as nuvens. A umidade alta faz com que a sensação de ar muito abafado prossiga. Temperatura mínima de 22°C e máxima de 32°C.

Na quinta-feira, véspera de Natal, o sol aparece com nuvens e o calor continua, mas pode ocorrer chuva/temporal isolado de verão da tarde para a noite, devido ao avanço de uma frente fria. Mas mesmo assim pode chover a qualquer momento do dia. Temperatura mínima de 22°C e máxima de 31°C.

Na sexta-feira, 25, o tempo permanece instável, com chance de chuva.
Mínima de 24°C e máxima de 32°C. A sensação desagradável de abafamento continua.



No fim de semana, em Montenegro, continua o calor e o abafamento. O sol aparece com nuvens, mas há chance de pancadas de chuva (principalmente no domingo). Como a pressão atmosférica entrará em declínio, não se pode descartar o risco de temporal isolado de verão. Temperatura mínima de 22°C e máxima de 34°C.

sábado, 19 de dezembro de 2009

ENCHENTE INCRÍVEL NA ARÁBIA SAUDITA

Jeddah, Arábia Saudita, foi atingida por uma das piores enchentes dos últimos 30 anos no dia 25/11/09. Mais de 2.000 veículos foram destruídos e mais de 100 pessoas perderam a vida.

Veja os vídeos inéditos abaixo:


video


video

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

CALOR PREDOMINA NO FINAL DE SEMANA

Previsão do Tempo - 18/12 a 20/12
Atualizado em 18/12 às 11:02

Sexta-feira, o sol aparece com poucas nuvens em Montenegro. Temperatura mínima de 21°C e máxima 32ºC.


No sábado o sol novamente aparece com nuvens. O calor ganha força e a máxima fica entre 33°C e 35°C. Devido ao intenso calor, não se pode descartar chuva de verão até o fim do dia.

A madrugada de domingo será de temperatura elevada, em torno de 24ºC. O sol aparece e o calor aumenta ainda mais. A máxima deve ficar entre 35°C a 37°C. Adverte-se para possibilidade de temporal e/ou pancadas de chuva, principalmente a partir da tarde.

Na segunda-feira o sol pode até aparecer entre muitas nuvens, mas há chance de pancadas de chuva (principalmente de tarde para noite). Não se descarta pancadas forte acompanhadas de vento. O dia será muito abafado. Mínima de 23°C e máxima de 31°C.

EU, O CÉTICO

Eu, o cético

Seu nome é Jim Hansen. Cientista da NASA e consultor de Al Gore. Transformou-se numa das principais vozes no debate mundial sobre clima. Torce para que a COP15, a conferência do clima em Copenhague, seja um fracasso.

Seu nome é John Coleman. Meteorologista na Califórnia e fundador do mundialmente conhecido Weather Channel (Canal do Tempo). Também torce para que a COP15 seja um fracasso. Hansen acredita que a Terra está caminhando para um enorme desastre climático devido ao aquecimento global. Coleman afirma que o aquecimento é uma fraude, um estelionato científico. O cientista da NASA crê que as medidas propostas em Copenhague serão inúteis diante da gravidade da situação e do descontrole na ação do homem sobre o clima. Coleman diz que o homem nada tem a ver com o que ocorre hoje no clima.


Jim Hansen é chamado de apocalíptico. Coleman de negacionista. O debate das mudanças climáticas acabou por criar estas denominações para aqueles que ousam, em maior ou menor grau, contestar as teses dominantes sobre a influência humana e o aquecimento do planeta. Eu não me considero integrante de nenhum dos dois campos. Nem apocalíptico. Tampouco negacionista. E torço para que Copenhague ofereça soluções para reduzir o desmatamento e a poluição.

É um fato científico que o planeta esquentou nos últimos 150 anos, período de instrumentação meteorológica. Parece-me um fato inquestionável que houve influência humana para este aquecimento, seja pelas chamadas ilhas de calor urbano (grandes cidades), desmatamento ou uso/manejo do solo. O que divirjo é da teoria que desejam transformar em senso comum que o aquecimento global foi quase totalmente provocado pelo homem, dando pouco relevo a causas naturais que julgo da mais alta importância como atividade solar e ciclos oceânicos. O que contesto é a tendência da mídia, alimentada por pesquisadores, em sensacionalizar o clima e ligar ao homem todo e qualquer desastre natural ou evento extremo que ocorra nos dias de hoje. O que me desagrada é o fato de tomarem como certos valores de elevação da temperatura do planeta nos últimos 150 anos, quando pairam acusações de fraudes sobre pesquisas e estão comprovadas deficiências gigantescas nas observações. O que me causa espanto é que a população está cada vez mais sendo doutrinada a acreditar que tudo que ocorre de ruim hoje no nosso clima é um fato novo, sem precedentes, inédito, ignorando-se por completo a história climática. O que me espanta é a incapacidade da imprensa de sustentar um debate sério sobre o tema, vendo-se hoje na mídia jornalistas que se transformaram em verdadeiros ativistas, seja a favor do negacionismo, seja em prol do catastrofismo.

Por essas e outras, com orgulho, declaro-me meramente um cético.

(Coluna publicada no jornal ABC Domingo de 13 de dezembro de 2009)
Autor: Eugênio Hackbart

--------------------------------------------------------

Sempre foi e sempre será assim

A imprensa esconde fatos, manipula dados, induz a população a acreditar naquilo que favorece ela (imprensa) de certa forma. Um clássico exemplo é o "derretimento" do polo norte. Sim o polo norte perdeu massa de gelo, mas esquecem de dizer que o degelo de 2008 e 2009 é menor do que o de 2007 (ou seja, a linha do gráfico de degelo não está despencando, ela agora está subindo). E principalmente "esquecem" de fazer reportagem sobre o Polo Sul. Sabe por que? Porque a massa de gelo do Polo Sul bateu recorde de cobertura nos últimos anos. Ou seja, existem CICLOS NATURAIS, enquanto ocorre o degelo de um lado, ocorre maior cobertura do outro. Assim como enquanto aqui na América do Sul é verão, na América do Norte é inverno.

Seguindo a mesma linha... falar que nos anos de hoje, chove mais, que os temporais estão mais violentos, antes não havia tornado no RS... mentira! Sempre tivemos e sempre vamos ter temporais violentos, granizo gigante, tornados, ciclones no nosso Estado. O que não havia antes era INFORMAÇÃO. Hoje todos temos um celular com câmera ou uma máquina digital no bolso para tirar fotos de temporais, tornados... Todos temos internet. Essas informações se espalham rapidamente. Por isso parece que ocorrem com maior frequencia. Antigamente não havia isso. Dependíamos quase que exclusivamente de jornais. Sim, e é lá nesses mesmos jornais de 1850, 1900, que estão essas informações sobre a ocorrência de temporais violentos, tornados, ciclones...

Jornal Correio do Povo - 1° de dezembro de 1909


Jornal Correio do Povo - 24 de novembro de 1909


Estamos situados numa posição geográfica que tanto recebe ar frio diretamente do polo sul, como recebe o ar quente tropical da Amazônia. Essa diferença de massas de ar (temperatura), geram muitas e intensas instabilidades. Nossa região está situada no segundo maior corredor de tornados do mundo. Agora, por que não temos abrigos subterrâneos nas casas como nos EUA? Bom, isso é assunto para um novo post, porque senão vai longe.
Sempre teremos as 4 estações no nosso Estado, e elas podem ocorrer num único dia. Estamos sujeito até mesmo a furacões. Não, o tempo não enlouqueceu nos últimos anos. Sempre foi e sempre será assim...

Daimar K. Coelho

domingo, 13 de dezembro de 2009

COMEÇO DE SEMANA COM TEMPO SECO

Previsão do Tempo - 14/12 a 17/12
Atualizado dia 16/12 às 01:28

O amanhecer dessa segunda-feira será frio (para esta época do ano) em Montenegro. A mínima será de apenas 14°C nos bairros mais frios. No centro a mínima fica em torno dos 16°C. No decorrer do dia o sol brilha forte e eleva a temperatura para até 29°C.


Na terça-feira o tempo seco garante que o sol apareça com poucas nuvens. Temperatura mínima de 17°C e máxima de 32°C.


Na quarta-feira novamente o sol aparece com nuvens. Haverá períodos de maior nebulosidade, não se descartando até mesmo chuva de verão (passageira). Sensação de abafamento devido a alta umidade do ar. Temperatura mínima de 21°C e máxima de 31°C.


Na quinta-feira o sol pode aparecer entre nuvens. Porém, no decorrer do período há chance de chuva. Mínima de 21°c e máxima de 28°C à tarde.

CICLONE PROVOCA "RESSACA" NO GUAÍBA

Mar? Não, esse o Lago Guaíba!


Ondas de até meio metro de altura cobriram a faixa de praia, o calçadão e a pista da avenida Guaíba. A água chegou a invadir alguns pátios de casas. A fúria das águas atraiu moradores para o local, que tiravam fotos e olhavam assustados o fenômeno. Moradores mais antigos disseram que jamais tinham visto algo igual.

(fotos de Alexandre Mendez)

As águas do Guaíba já estavam elevadas e com a chuva intensa do final de sexta-feira elevou-se mais ainda. A Lagoa dos Patos também está com seu nível alto e com o forte vento sul do sábado, houve o represamentos das águas e a formação de ondas.
Uma combinação perfeita para gerar o fenômeno.

Veja os videos abaixo:

video

video

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

ALERTA: INTENSO CICLONE EXTRATROPICAL TRAZ ELEVADO RISCO DE CHUVA E VENTO FORTE

Previsão do Tempo - 11/12 a 13/12

Atualização II - 12/12/09 - 13:00
VENTO GANHA FORÇA E DEVE SE INTENSIFICAR NAS PRÓXIMAS HORAS

Em Rio Grande, o vento já atingiu 120 Km/h hoje pela manhã. Houve registro de destelhamentos, queda de árvores e postes. As rajadas de vento mais fortes se deslocam para o Norte e vão atingir Montenegro e região nesta tarde.

Na tarde e começo da noite de hoje, conforme previsto anteriormente, as rajadas de vento devem ficar entre 60 a 80 km/h em Montenegro, não se descartando algumas rajadas ainda mais fortes. O tempo segue instável sujeito à chuva e garoa, mas podem ocorrer momentos de melhoria (comum em dias de ciclone)

Neste domingo, o vento diminui.

---------------------------------------------------------------------------------

Atualização I - 11/12/09 - 22:45
MUITA CHUVA E VENTO

Este ciclone não parece ser um evento que deve provocar uma onda de temporais no Rio Grande do Sul, uma vez que grande parte do Estado já se encontra sob temperatura menor e instabilidade, o que diminui o risco de tempestades de vento e granizo de curta duração, apesar da possibilidade não estar afastada em pontos isolados.
Os maiores transtornos devem ser a chuva forte e excessiva aqui na nossa região e do vento que deve soprar sábado.

Estamos entrando no período mais crítico do ciclone a partir de agora, e que deve durar mais 24 horas. Pois a medida que a baixa pressão se aprofunda sobre o RS e a frente fria avança, deve ativar (e muito) as nuvens de chuva. Na sequência vem o vento. Os modelos projetam rajadas de 60 a 80 km/h para a nossa região. O que chamou a atenção é que nas últimas saídas, projetam ventos em torno de 120 km/h no nosso litoral norte.
Não raro os modelos acertam na mosca, mas às vezes superdimensionam os fenômenos e erram feio. Todo o caso, é importante ficar alerta.

Permanece o ALERTA sobre CHUVA FORTE E TORRENCIAL NAS PRÓXIMAS HORAS E DURANTE O SÁBADO. O risco de ALAGAMENTOS também é muito elevado.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------

Na sexta-feira pode chover forte, devido ao avanço de um sistema de baixa pressão vindo da Argentina. Há risco de temporal/chuva forte principalmente da tarde para a noite. A sensação será de abafamento antes da chuva. Mínima de 20°C e máxima de 25°C.

No sábado o sistema de baixa pressão que cruzará o RS, converte-se em ciclone extratropical na nossa costa. Permanece o alerta para chuva forte à torrencial e vento, principalmente na primeira metade do período (madrugada e manhã). Devido a baixa pressão atmosférica projetada pelos modelos computadorizados - entre 990 hPa e 1000 hPa - o risco de vento, descargas elétricas, granizo e chuva forte são maiores. Pressão abaixo de 1000 hPa torna a atmosfera extremamente favorável à fortes instabilidades. É elevado também o risco de alagamentos e inundações por conta da precipitação excessiva em curtos intervalos de tempo. O vento com fortes rajadas por 6 a 12 horas seguidas também deve ser considerado. Os modelos numéricos sugerem rajadas de até 60 km/h, mas não estão descartadas rajadas ainda mais intensas. Mínima de 19°C e máxima de 24°.

O domingo seguirá instável com muitas nuvens e possibilidade de chuva. O ciclone começa a se afastar da costa, mas ainda deve ocorrer rajadas de vento de moderado a forte. A sensação térmica diminui por conta do vento sul. Ao longo do período, o tempo começa a melhorar, podendo ocorrer até algumas aberturas de sol (principalmente no final da tarde). Mínima de 18°C e máxima de 24°C.

Praias: No passado, ainda, em condições semelhantes de ar quente, úmido e pressão atmosférica bastante baixa, observou-se atividade tornádica, principalmente na forma de trombas d'água sobre o mar, o que não pode ser descartado. O vento muito intenso em alto mar, possivelmente acima de 150 km/h, a uma grande distância da costa, deve deixar o mar muito agitado e trazer o risco de ressaca para as praias do Sul e do Sudeste do Brasil.

DIFERENÇAS ENTRE CICLONE, TORNADO E FURACÃO (à pedidos)

Ciclone é um movimento de ar giratório de grande escala, ou seja, não conseguimos ver um ciclone a olho nu. Os ciclones têm diâmetro na ordem de centenas de QUILÔMETROS e por isso só podem ser vistos através de imagens de satélite. Geralmente ocorrem sobre o oceano, pois em contato com a superfície terrestre, perdem força. Ciclones podem ser classificados entre tropicais, extratropicais e subtropicais:

Ciclone tropical é caracterizado por um sistema de baixa pressão e possui o seu núcleo com ar quente, o que gera mais instabilidade e destruição. Ciclone tropical é o mesmo que furacão e tufão. Dependendo em que região do mundo estamos, eles são chamados ou de furacão ou de tufão.

Ciclone extratropical, também chamado de ciclone de média latitude. Também é caracterizado por um sistema de baixa pressão. Não possui ar quente no seu núcleo. Causa menos destruição do que o tropical (furacão), mas dependendo da sua dimensão pode provocar rajadas de vento muito forte e consequentemente danos materiais.

Ciclone subtropical reúne as características dos dois tipos anteriores.



Tornados
, assim como os ciclones, também são movimentos de ar giratório, mas de pequena escala, ou seja, conseguimos enxergar um tornado a olho nu*. Os tornados tem diâmetro na ordem de centenas de METROS. Tem a aparência de uma coluna móvel afunilada. Geralmente se formam sobre a superfície terrestre. Um tornado só é caracterizado quando toca o chão, ou seja, se não tocar é considerado uma nuvem funil. Tornados também podem ocorrer sobre a água (oceano) e daí recebem o nome de tromba d’água.
* Tornados podem ser vistos de dia. À noite, raramente podem ser avistados.


tornado

tornado

tromba d'água

Importante: um ciclone ou furacão pode gerar diversos tornados e trombas d’água, já um tornado (ou tromba d’água) não pode gerar um ciclone ou furacão.


Dúvidas? É só perguntar na seção de comentários.


LUZ ESTRANHA NO CÉU APAVORA NORUEGUESES

Não, não é montagem. É apenas difícil de acreditar...
Uma estranha luz em forma de espiral apareceu no céu do norte da Noruega na última noite, deixando milhares de moradores das cidades de Trøndelag e Finnmark atônitos. Testemunhas compararam o fenômeno com coisas como foguetes russos, meteoros e ondas de choque , mas, até o momento não se sabe ao certo. O fenômeno começou com uma luz azulada que parecia sair por trás de uma montanha. No entanto, parou um pouco acima da linha do horizonte e começou a circular. Alguns segundos depois, a espiral gigante cobria o céu inteiro. Então, um raio verde-azulado saiu do centro do objeto, durando entre 10 a 20 minutos antes de desaparecer completamente.



O instituto metereológico norueguês teve as linhas telefônicas congestionadas. De acordo com o site Daily Mail, astrônomos disseram que o fenômeno "não parecia estar conectado com a aurora boreal, tão comum nessa área do mundo". Fred Hansen, um dos moradores locais, descreveu o acontecido como "uma grande bola de fogo que ficou dando voltas, com uma grande luz dando voltas novamente". Já Axel Rose Berg, de Alta, afirmou que era "como uma espiral gigante - uma estrela candente que girava e girava", dizendo que pensava se tratar de uma projeção à princípio. O astrônomo norueguês Knut Jørgen Røed Ødegaard disse que nunca viu algo parecido. "Pensei primeiro que fosse um meteoro em forma de bola de fogo, mas demorou por tempo demais", disse. "Pode ter sido um míssil na Rússia, mas não posso garantir que seja a resposta". O controle aéreo do local disse que o fenômeno durou por dois minutos, mas admitiu que era "demorado demais para ser um fenômeno astronômico". No final da tarde desta quarta-feira, a NASA informou que são crescentes os indícios de que se tratou da falha de um foguete de um míssil balístico intercontinental (ICBM) russo Buluva lançado de um submarino. Ainda bem, porque corríamos o risco de ouvir que se trata de mais uma prova do aquecimento global e das mudanças climáticas.

Autor: Alexandre Amaral de Aguiar
MetSul Meteorologia

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

O DEBATE DO CLIMA NÃO MERECE EDITORIAIS APOCALÍPTICOS

Mais de 50 jornais de 44 países, inclusive do Brasil, publicaram ontem um editorial conjunto acerca da Conferência das Partes do Clima (COP15) em Copenhague. O editorial, proposto pelo jornal inglês The Guardian, curiosamente consta apenas do Miami Herald e sua versão em espanhol nos Estados Unidos, não aparecendo nas páginas de OP-ED (opinião) de nenhum dos principais diários do país como New York Times, Washington Post ou USA Today. No Reino Unido, tão-somente o Irish Times reproduz o editorial do Guardian. Igualmente os principais jornais de Rio e São Paulo, no Brasil, não se juntaram ao protesto coordenado. O manifesto, em alguns momentos APOCALÍPTICO, em outros panfletário, ignora fatos, sonega outros e distorce importantes pontos do debate do clima. Vários pontos merecem comentários:

"Agora, os fatos começaram a falar por si: 11 dos últimos 14 anos foram os mais quentes já registrados, o gelo do Ártico está derretendo e a alta nos preços do petróleo e dos alimentos no ano passado é um exemplo do caos que pode estar por vir".

É uma falácia que os últimos 11 anos foram os 14 mais quentes já registrados. Trata-se de um absurdo científico, considerando que o planeta já experimentou no passado fases de temperatura incrivelmente mais elevadas. Os níveis de CO2 nos últimos 50 anos aumentaram 50 ppm (partes por milhão) na última metade de século, alcançando hoje ao redor de 388 ppm, mas o planeta já passou por épocas em que os níveis de CO2 chegaram a 5 mil ppm. Nos Estados Unidos, que possuem uma base de dados mais completa e atualizada que a brasileira, os anos mais quentes do último século ocorreram na década de 30. Os recordes de calor do Rio Grande do Sul de 1917 e 1943 seguem até hoje intocados.

O Ártico, realmente, perdeu massa de gelo nos últimos anos, apesar do degelo em 2009 e 2008 ter sido menor do que em 2007. Da mesma forma que o Ártico, também entre as décadas de 20 e 30, experimentou um período de perda de massa de gelo. Recentemente, o Met Office, serviço meteorológico da Grã-Bretanha, ferrenho defensor da influência humana no clima, atestou em comunidade que "a alta variabilidade (da cobertura de gelo no Ártico) torna muito difícil de atribuir a redução na cobertura de gelo às emissões de gases do efeito estufa pelo homem. O editorial sonega do público que a Antártida teve em 2007 um recorde na sua cobertura de gelo desde que iniciadas as medições por satélite em 1979. Há poucos dias, na Folha de São Paulo, o enviado especial à base brasileira Comandante Ferraz na Antártida noticiava o espanto dos cientistas do Brasil na região com o que vem ocorrendo. Segundo eles, os invernos rigorosos ocorriam em média a cada quatro anos e agora 2007 e 2009 tiveram invernos muito mais frios que a média na região. A base segue coberta de neve no mês de dezembro, quando não deveria haver mais, o que levou o correspondente da Folha a afirmar que "ao menos nesta parte da Antártida a melhor expressão é resfriamento global".

Atribuir à alta do preço do petróleo às mudanças no clima é uma ignorância econômica primária. Demanda, especulação financeira e depreciação do dólar foram os fatores que levaram à alta do petróleo nos últimos anos. O mesmo em relação a outras commodities como os produtos agrícolas que viram seus preços ir às alturas com a queda do dólar no mercado internacional e a maior demanda de países em desenvolvimento. No caso dos alimentos, há outro agravante que está sim relacionado ao aquecimento global, mas pela via transversa. A fim de reduzir as emissões de gases do efeito estufa, grãos passaram a ser usados na produção de biocombustíveis, o que é apontado por especialistas como uma das razões para o aumento nos preços em todo o mundo. Esses mesmos analistas alertaram que o uso de grãos (soja, milho, etc) na produção de biocombustíveis estava fazendo com que áreas de florestas em regiões tropicais, da Malásia ao Brasil, estivessem sendo desmatadas para abrir espaço para plantações. Ou seja, o remédio se transformou na doença. Curiosamente, os mesmos jornais que ontem no Brasil publicam esta editorial comemoraram no passado também em editoriais os biocombustíveis devido aos benefícios econômicos para a agricultura local.

Também no editorial:

"As mudanças climáticas foram causadas ao longo de séculos e têm consequências que durarão para sempre. As nossas chances de frear o problema serão determinadas nos próximos 14 dias".

Atestar que mudanças climáticas são irreversíveis denota outra ignorância científica. O planeta sempre alternou períodos quentes e frios que não duraram para sempre. Ao denominado Período de Aquecimento Medieval (MWP) seguiu-se a Pequena Era do Gelo (LIA) entre os anos 1500 e 1900 dC. O aquecimento medieval, contudo, não consta do chamado gráfico Hockey Stick de Michael Mann, citado no escândalo Climategate, apesar de estar presente na maioria dos trabalhos sérios de reconstrução climática na paleoclimatologia. A única constante na Natureza é a mudança e em determinado momento do futuro a Terra voltará a sofrer com glaciação.

No editorial:

"A ciência envolvida é complexa, mas os fatos são claros. O mundo precisa agir para limitar a 2ºC o aumento da temperatura global, um objetivo que exigirá que as emissões mundiais de gases-estufa alcancem um teto e comecem a cair nos próximos cinco a 10 anos. Um aquecimento maior, de 3ºC a 4ºC - o menor aumento que podemos esperar se continuarmos sem fazer nada -, poderá levar seca aos continentes, transformando áreas agrícolas em desertos".

O editorial afirma que o menor aumento que pode ser esperado (3ºC a 4ºC) não tem sustentação científica. O relatório do IPCC de 2007 diz que no melhor cenário (B1) o aquecimento seria de 1,8ºC (variação entre 1,1ºC e 2,9ºC). Logo, o mínimo sustentado pelos cientistas da ONU não é 3ºC, mas 1,1ºC.

Ainda no editorial:

"Muitos de nós, particularmente no mundo desenvolvido, terão de mudar seus estilos de vida. A era de voos que custam menos do que a corrida de táxi até o aeroporto está chegando ao fim. Teremos que comprar, comer e viajar de forma mais inteligente. Teremos de pagar mais pela nossa energia e usá-la menos".

Perguntas: Como os repórteres dos jornais que foram a Copenhague viajaram ? Não foram de avião ? Seus patrões não buscaram as passagens mais baratas ? Quantos dos donos destes jornais deixaram de andar de carro ou mudaram seus estilos de vida até hoje ? Se o custo da luz for aumentado para combater o aquecimento global, muitos destes jornais que publicaram o editorial serão os primeiros a protestar contra a energia mais cara para a população. A propósito, a imprensa dá conta que em Copenhague é tão grande a demanda por limusines entre os presentes na Conferência que houve a necessidade de buscar duas centenas destes veículos em outros países da Europa.

Autor do texto: Eugenio Hackbart (Chefe-Meteorologista da MetSul Meteorologia)